quinta-feira, 11 de novembro de 2010

Você foi inevitável.

Eu sinto apenas medo.

By Laurianki

Medo de perder-te, medo de você nunca mais olhar pra mim, medo de você nunca mais achar graça das minhas conversas, do meu sotaque, de nunca mais me criticar por ser chato, ranzinza e, convencionalmente, anti-social. Senti medo de nunca mais poder te tocar, de nunca mais olhar dentro dos seus olhos, admirar-me com a beleza de seu sorriso, nunca mais te beijar. Senti medo de nunca mais dar risada das vezes que você cambaleava em cima do salto alto com classe. Senti medo de nunca mais criticar sua saia curta, ou seu decote exagerado, de nunca mais poder elogiar o quão bonita você fica ao acordar. Senti medo de não tomarmos mais café juntos, de nunca mais irmos aquela pizzaria e sentarmos naquela mesma mesa, isolada, onde tínhamos privacidade e uma brisa incrível. Senti medo de nunca mais trocarmos livros e brigarmos no final sobre nossas personagens favoritas. Senti medo de nosso filme favorito tornar-se apenas o meu filme favorito. Senti medo de não ter mais para quem escrever e desenhar. Senti medo de perder-te. Senti medo.

A minha maior decepção foi ver meus medos tornarem-se realidade.

As únicas coisas que você pode ter certeza é que sempre te lavarei aqui dentro, e, que você sempre estará com o maior pedaço do meu coração.

Mas como tudo na vida é passageiro, com você não seria diferente, você foi apenas inevitável!

''Eu estou aqui sozinho, não queria partir
Meu coração não se move, está incompleto
Gostaria que houvesse um jeito de fazer você entender''
[Trilha sonora  AQUI]


Fiquem com Deus, Abraço

Marcelo Soares
Texto inspirado  em Minha Namorada Imaginária

5 comentários:

  1. Que legal o texto...
    Preciso conhecer a minha concunhada imaginária!!!!
    kkkkk

    ResponderExcluir
  2. Oi, Marcelo!

    Primeiramente, gostaria de agradecer a visita lá no blog e te espero mais vezes por lá!

    É realmente terrível quando vemos a pessoa que a gente ama escapar por entre nosso dedos e ir embora para nunca mais voltar. =/

    A dor é insuportável, mas como tudo na vida, o tempo cura a dor e se não cura, ameniza... torna-se saudade, lembrança... depois cai no esquecimento.

    Beijos,
    boa semana!

    ResponderExcluir
  3. Marcelo, acho que seremos amigos viu?? Assim como vc se identificou com as postagens do meu blog, te achei super legal e sensível...
    Não repare, pois sou assim mesmo. Quando vou com o jeito,cara, estilo da pessoa já vou logo falando e ponto...kkkkkkk
    Olha só...estou de saída agora, mas depois venho ler seus posts. E com relação a desilusão amorosa é doído demais, porém as vezes a unica solução é 'VENDER OS MÓVEIS" como naquele texto que vc leu.
    O amor só vale a pena quando é dos dois lados.
    Depois falamos mais hein??
    SOMEEEEEE NÃO.

    Bjkasssssss

    ResponderExcluir
  4. Que lindo! Adorei esse texto, muito sincero e fofo. Parabéns :)

    ResponderExcluir
  5. Amor é o medo do não, não ter, não ser, não viver, não acontecer.

    ResponderExcluir