domingo, 17 de junho de 2012

Você me bagunça

Imagem via Tumblr
Da play aqui antes de ler
The Woman I Love (Live) by Jason Mraz on Grooveshark

Tinha decido parar com isso de amar alguém. Depois de tantas decepções, resolvi organizar tudo aqui dentro. Juntei sentimento com sentimento, reação com reação, decepção com decepção, recordações com recordações, sonhos com sonhos. Enumerei todos, coloquei em ordem cronológica, em uma caixa estavam as prioridades, em outra os segundos planos, e la no fundo, num lugar não tão importante, a caixa com o amor que um dia quis entregar a alguém. Pronto, tudo limpo, cada qual em seu lugar, cada lugar devidamente conhecido. Estava seguro de mim. Até que você apareceu. Não sabia o que sentir, não sabia como reagir. Me perdi nos meus sonhos, não sabia se era uma recordação, uma decepção, por falar nisso onde as guardei mesmo? Derrubei caixa por caixa, misturei tudo, não consegui compreender o que você despertava em mim. Só sei que, por tentar entender, te queria cada vez mais. Era uma coisa boa e ruim ao mesmo tempo. A gente nunca esta preparado para esse tipo de coisa, isso simplesmente acontece, assim, do nada. Tudo era grande, intenso. Maior do que minhas decepções. Uma coisa que me engolia. E eu, no meio de toda essa confusão, só consegui chegar a uma conclusão: Você me bagunça.

Texto escrito para o Desafio #006 para o grupo Desafio Blogueiro, do facebook. Fazia tempo que não escrevia algo assim. Espero que gostem. Se der, curtam a pagina do blog no facebook, é aquela que fica ali na barra lateral.

18 comentários:

  1. O negócio é esse: ninguém tem total controle sobre o que sente, e mesmo querendo muito, não podemos simplesmente decidir que não iremos mais sentir tal coisa por ninguém, por que, ora bolas, a gente conhece todo mundo? Ou a gente já sabe quando é que tal pessoa vai subir na nossa lista de importância?
    Estamos aí sempre nos surpreendendo com o que a vida pode fazer conosco, e vez ou outra,aparecem essas pessoas bagunceiras.
    Muito bom o texto, Marcelo!

    Ps: HUAHUSHA Já ouvi falar de ''Monk, um detetive diferente'', tinha até marcado como "quero ver", só me falta tempo pra assistir. É bom mesmo? Eu adorava brincar disso, cara, pegava o cabo da vassoura que deixava de ser um simples cabo de vassoura pra ser uma arma super útil, e saía batendo loucamente nas colunas do meu quintal. Imaginação não me falta, um passo pra esquizofrenia. Não.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado pela visita e comentário Minne, fiquei bem feliz =D

      Pessoas bagunceiras existem aos montes, e olha, as vezes ela faz bagunça e nem sabe, tipo quando a gente ama platonicamente (ou seja, sempre) kkkkkkkkk.

      Então, Monk não é la aquelas coisas, mas é interessante. Ja vi gente odiando e gente amando, eu gostei medio kkkkkkkkkkkk

      Excluir
  2. Não se gosto ou não dessa sensação de bagunça que a paixão deixa dentro de nós. Por um lado tudo parece lindo, por outro, fico confusa. Talvez seja essa mesma a intenção desse sentimento, não é?

    ps.: êêê participou de um desafiooo!! ADOREI! \o

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sendo a intenção ou não, a gente nunca vai descobrir, a unica certeza é que em algum momento a gente vai sofrer, porque né kkkkkkk

      Pois é, finalmente consegui participar de um, vou tentar ser mais assíduo no grupo =D

      Excluir
  3. Essa sou eu, logando no blogger especialmente pra comentar seu post (e vencendo a preguiça - sinta-se importante! hahaha)
    Mar, lindo seu texto! Amei.
    Aliás, é o tipo de texto que não tem como não se identificar, e sabe o pior de tudo? A gente sente falta dessa bagunça. A gente adora a sensação de ter alguém revirando nosso estômago, acelerando o coração na expectativa de que a nova mensagem no celular seja de tal pessoa, adora ter alguem pra pensar antes de ir dormir... O problema é que isso, como tudo na vida, passa. E daí vem a decepção. Mais uma para guardar na "caixinha". Mas quando a gente cresce, a gente passa a não colocar mais a legenda "decepção" nessa tal caixa, mas sim "aprendizado" ou "experiência". Não tem outro jeito, a gente mesmo não querendo acumula tudo que acontece na nossa vida, mesmo querendo, implorando, fazendo de tudo pra esquecer, a gente guarda. Então, que, pelo menos, seja útil... Isso não quer dizer que não repetiremos, que nunca mais nos apaixonaremos e nos sentiremos "bagunçados", mas que veremos tudo com outros olhos e, quem sabe, de uma próxima vez não seja melhor?

    Enfim, sempre acho que comento demais nos teus posts... hahaha é quase que uma reflexão comigo mesma kkk desculpa!
    Um beijão, seu lindo! Saudade!! ;)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mel, sua linda. Obrigado pelo empenho em logar e comentar, e esse sou eu logando no blogger as 4:44 da madrugada para ler e responder seu comentario após ler no twitter que você tinha o feito tsrsrsrsrsrsrsrsrs

      Acho que de todas essas caixinhas a que mais incomoda a gente é a de surpresa, que a vida sempre nos prega, né não?

      Beio <3

      Excluir
  4. Se é correspondido, a gente fica feliz com a bagunça e nem se importa com o depois...
    Agora, se não é, a gente fica naquela busca incansável da arrumação...

    Adorei o blog, parabéns!

    ResponderExcluir
  5. A gente sempre insiste - mesmo sabendo que não funcionará -, em fingir que esquece. Que guardar o sentimento dentro do coração será suficiente para amenizar a dor que sentimentos. Só que quando o amor é verdadeiro, ou mesmo avassalador, basta apenas um olhar ou até mesmo "oi" para bagunçar aquilo que por anos tentamos organizar dentro de nós.

    ResponderExcluir
  6. O seu blog não estava colaborando comigo, a janelinha dos comentários não queria aparecer pra mim. oaoiaiooiaa' :P
    Enfim, gostei muito da retribuição da sua visita, muito obrigado *.*
    Ah, já curti sua página no facebook >.<
    Gostei muito do post. É, no mínimo, intrigante quando alguém chega em nossa vida e faz tudo ficar diferente.
    Até mais, mano. Abraço :)

    ResponderExcluir
  7. A gente sempre tenta organizar, se preparar, mas o sentimento vem tão inesperado que nos desorienta. Não adianta guardar, esperar, mensurar porque em relação ao amor não é possível racionalizar. Ele vai além do que imaginamos. Ele realmente é tão fantástico que por mais que a gente o sinta várias vezes, a gente nunca é capaz de se preparar porque ele sempre reaparece de forma surpreendente.

    Abraço!

    Belo texto!

    ResponderExcluir
  8. Que lindo! E é assim que acontece, esse texto descreve o amor. A gente quase sempre jura que não vai entregar o coração pra mais ninguém, então chega alguém que muda TUDO!

    Adorei! Você escreve muito muito bem!
    Beijo.

    ResponderExcluir
  9. Lindo texto!
    Descreve certinho esse processo do "desamar", amar de novo. A gente sempre JURA que não vai deixar acontecer nunca mais, então aparece alguém que nos faz engolir tudo e começar outra vez!

    Adorei aqui!

    :) Beijão.

    ResponderExcluir
  10. Amor, mesmo quando dói, só serve pra isso mesmo: bagunçar.
    Abraços.

    ResponderExcluir
  11. Mas é boa essa bagunça toda né? Faz a gente se sentir vivo, meio confuso com a gente mesmo e nos faz dar uma acordada do tipo, é, pelo jeito com o coração anda tudo nos conformes. Amar faz bem (apesar dos pesares, haha). Gostei mesmo do post, bjs

    ResponderExcluir
  12. me identifiquei. apesar de não ter mexido na caixa onde está o meu coração. melhor ela ficar guardada e bem escondida. imagina se eu me pego numa dessas armadilhas que as pessoas chamam de amor [de novo!].
    Blog Abs

    ResponderExcluir
  13. adorei demais esse texto!!! mto perfeito me autoriza a divulga-lo no meu blog??? bjo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
    2. Obrigado, pode divulga-lo sim =D Quando divulgar, só lembre de me informar o link pra eu acessar o// Beijo

      Excluir